arvores de abiu

mudas de abiu

Nome popular: abieiro
Nome científico: Lucuma caimito (Ruiz & Pav.) Roem & Schult.
Família botânica: Sapotaceae

Abiu

Origem

Região amazônica (Brasil, Colômbia, Peru e Venezuela).

Tipos

A forma difere bastante de um tipo para outro, podendo ocorrer frutos inteiramente redondos, ovais e mesmo alongados, todos eles do tamanho aproximado de um ovo grande de galinha, ou de pata.

Abiu

Outros nomes

 

Abiu-piloso

Curiola

Grão-de-galo

Cabo-de-machado

Pêssego-do-mato

Dentre outros

Características

Superfície

Lisa, brilhante e amarelada

Forma

Esférica ou ovalada

Polpa

Branca e geralmente doce, podendo não ter um sabor específico.

Observação

Desprende um líquido com consistência de látex, idêntico ao que sai da casca da árvore, com o qual são confeccionadas cola e remédios caseiros.

Dicas para comprar

Só adquira quando a fruta estiver bem madura e amarela; se ainda não estiver totalmente madura, a casca solta um líquido branco, viscoso, que logo prende aos lábios, dando uma reação muito desagradável.

Dicas para guardar

Pode ser conservada durante cerca de uma semana, desde que colocada na geladeira.

Dicas para consumo

É saboreada, geralmente, ao natural, mas pode ser preparada em forma de geléia.

Composição

 

Água

Carboidratos

Proteínas

Vitamina B1 (Tiamina)

Vitamina B2 (Riboflavina)

Vitamina B5 (Niacina)

Vitamina C (Ácido Ascorbico).

Valor calórico

95 calorias, em cada 100 gramas.

Indicações Terapêuticas

Anemia ou desnutrição

Consumir a fruta regularmente

Inflamações em geral

Aplicar cataplasma preparado com o líquido das sementes;

Otite

Pingar gotas desse mesmo líquido, no ouvido afetado, numa temperatura morna;

Herpes e verrugas

Usar o líquido diretamente na região atingida;

Pulmões

Fazer refeições com a polpa do abiu cozida em água e sal. Utilizar morno, inclusive o caldo, ao qual se pode adicionar mel, que pode ser tomado ao longo do dia, às colheradas.

Características da planta

Árvore de até 10 m de altura, tronco de casca áspera, copa densa e esgalhada. Folhas lisas e brilhantes. Flores de coloração amarelo-avermelhada.

Fruto

De forma ovóide ou esférica, coloração amarela, casca lisa, apresentando látex leitoso que coagula em contato com ar. A polpa é translúcida, branca ou amarelada, mucilaginosa e doce. Encerra em seu interior de 1 a 4 sementes lisas e pretas.

Cultivo

Cresce espontaneamente na Amazônia, adaptando -se para cultivo nas regiões litorâneas do Oiapoque (AP) até Santos. Cultivada em quase todo o país, prefere solos profundos e humosos. Multiplica-se por sementes, produzindo 200 frutos por árvore, podendo atingir até 1.000 frutos.

O abieiro é uma planta tropical, originária da região amazônica próxima às encostas andinas do Peru e do oeste da parte amazônica brasileira.

A árvore e seu fruto, o abiu, são facilmente encontrados na forma silvestre por toda a Amazônia: alguns exemplares do abieiro fazem até parte da arborização urbana da região enfeitando praças de Manaus, sendo também encontrados nas cercanias de Belém.

Apesar de ser mais conhecido na Amazônia, o abieiro cresce e frutifica em quase todo o Brasil litorâneo, por onde se espalhou sem pedir licença.

A forma da fruta difere bastante de uma variedade para outra, podendo ocorrer frutos inteiramente redon-dos, ovais e alongados, todos eles do tamanho aproximado de um ovo grande de galinha ou de pata. Sua superfície é lisa e contém uma polpa gelatinosa, branca ou amarelada, às vezes adocicada, às vezes sem sabor e, às vezes, para o prazer de muitos, dulcíssima.

Para Eurico Teixeira, o abiu, além de delicioso, muitas vezes se transforma em verdadeiro símbolo da pátria por levar, como bandeira, suas cores principais -o verde e o amarelo - pois algumas variedades apresentam sobre a casca amarela várias estrias verdes, que riscam o fruto no sentido longitudinal.

A fruta é aproveitada quase sempre in natura podendo, porem, ser conservada até uma semana, quando refrigerada, ou então, processada como geléia.

Como fruta fresca, deve ser consumida exclusivamente quando estiver bem madura e amarela, pois, do contrário, sua casca libera um leite branco e viscoso que adere aos lábios, provocando uma sensação bastante desagradável. Por outro lado, esse mesmo látex e um outro - que sai da casca da árvore -são utilizados na produção de cola e de remédios caseiros.

O cultivo do abieiro é aparentemente simples, exigindo pouca fertilidade da terra e poucos cuidados, exceto quando a planta ainda é nova.

Com 3 anos de idade inicia a frutificação, que se avoluma bastante a partir do quinto ano. Sendo o abiu fruto generoso, de árvore bonita e de abundante frutificação, basta um único abieiro num quintal caseiro para suprir toda uma família, seus agregados e vizinhos, da delicadeza dos sabores da fruta.

Apesar de todas as suas excelências e qualidades, o abieiro permanece, no Brasil, como árvore frutífera de quintal e de pomares não-comerciais.

Rubens Barros de Azevedo

Fonte: www.paty.posto7.com.br
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/abiu/abiu-2.php