Floresta mudas

Palmeira Jeriva - Palmeiras Nativas Jerivá

Vendemos Palmeiras Jerivá em Vasos ou no Torrão

Chacara das Palmeiras-Tupã

PALMEIRA JERIVA - ARVORES DE PALMEIRAS JERIVA

As descrições abaixo sobre a palmeira Jerivá , são descrições tecnicas da planta mas antes de apresentar esse conhecimento ,gostariamos de lembrar que a palmeira jerivá é uma arvore nativa.
Tambem queremos observar que a foto abaixo foi tirada em nosso viveiro de mudas , em Tupã ,onde possuimos milhares dessas palmeiras , tanto no chão vendidas no torrão ,como em vasos de plastico.
palmeiras jeriva

  As palmeiras jerivá são palmeiras da mata atlântica ,no Brasil o que não as impede que também sejam encontradas em ecossistemas associados como florestas ombrófilas densas,florestas estacionais semideciduais e deciduais e também em matas ciliares e matas do cerrado.
Seu fruto é caracterizado pela cor amarelada e oval e a sua forma de dispersão de sementes e zoocórica ou seja elas são distribuídas pelos animais que consomem o fruto e depois através de suas fezes liberam as sementes para germinação. O nome cientifico desta espécie é Syagrus romanzoffiana de família Arecaceae.
É uma palmeira de porte considerado médio medindo de 8 a 15metros, tronco fino e alto. Geralmente encontrada em campos, regiões degradadas e paisagismo. O fruto desta palmeira é muito apreciado por animais e por humanos. Outro fator importante é também a utilização da madeira que é utilizadas em construções como por exemplo o madeiramento de telhados, paisagismo ornamental e também para fazer reflorestamentos em áreas degradadas, preservação permanente.
Temos palmeiras jerivá de vários tamanhos que podem deixar seu ambiente mais bonito e valorizado.

palmeiras jeriva

A palmeira Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman, da família
Arecaceae, conhecida popularmente como palmeira jerivá, jarivá e
coquinho, ocorre desde o Norte do Brasil até o Rio Grande do Sul,
em quase todas as formações vegetais. Existem variações
morfológicas dessa espécie dependendo da região de ocorrência.
A espécie é monóica, com indivíduos apresentando de 10 m a
25 m de altura, estipe único, anelado, variando de 15 cm a 40 cm
de diâmetro.
As sementes da palmeira jerivá constituem uma fonte razoável de proteínas
e significativa de fibras alimentares e de selênio. As sementes
apresentam também lipídios, o que lhes confere maior valor
calórico.
O elevado índice de cobre encontrado nessas sementes das palmeiras jerivá
mostra uma possível toxicidade, se ingeridas in natura, como
alimento.
As flores da palmeira jerivá são de grande potencial apícola,
produzindo pólen e néctar .
O fruto da palmeira jerivá fornece polpa adocicada comestível, sendo
de grande importância na alimentação.
No Brasil, em algumas regiões, o palmito dessa palmeira a jerivá é muito apreciado, embora apresente gosto ligeiramente amargo.
É indicada na medicina popular como diurética, contra o amarelão e diarréia.
As palmeiras são altamente decorativa e muito usada em projetos paisagísticos,
principalmente no Sul do Brasil.
Os frutos são procurados por várias espécies de animais, o que a torna recomendável para o do jerivá são compostas, espiraladas, pinadas, medem de 2 m a 3 m de comprimento.
Os folíolos são estreitos e lanceolados, verde-escuros na face superior e mais pálidos na inferior, irregularmente distribuídos em vários planos ao longo do ráquis (BARROSO et al., 2002).
Fenologia reprodutiva (floração e frutificação)
A floração ocorre quase o ano inteiro, com maior intensidade entre
os meses de setembro e março, e a maturação dos frutos ocorre
principalmente entre os meses de novembro e janeiro, no período
em que as temperaturas e a precipitação são mais elevadas. Uma
segunda floração ocorre no inverno, porém com menor intensidade
(Tabela 1). As flores agrupam-se em inflorescências interfoliares,
protegidas por um tegumento acanoado, que mede de 1,2 m a 1,6
m de comprimento. Espádice (cacho) de 80-120 cm de
comprimento. Os frutos são lisos, carnosos, amarelo-alaranjados e
com polpa fibrosa (BARROSO et al., 2002).
plantio em agrupamentos mistos de áreas degradadas de
preservação permanente.
A Embrapa Florestas monitora a fenologia vegetativa e reprodutiva
de 20 indivíduos do jerivá, em áreas da Floresta Ombrófila Mista,
no Estado do Paraná. As avaliações estão sendo realizadas
seguindo o método de Fournier (1974), que estima a intensidade
(%) de cada fenofase por meio de uma escala intervalar semi
quantitativa de cinco categorias (0 a 4), com intervalos de 25%
entre cada uma delas.
A descrição morfológica das folhas, flores e
frutos está sendo caracterizada de acordo com a sistemática
vegetal (BARROSO et al., 1999; BARROSO et al., 2002).

Fonte:http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/883701/1/FenologiaJeriva.pdf

Pagina Inicial